close
CriarLiteracia Digital

10 Ideias para introduzir a Tecnologia em sala de aula

A pressão para que os professores utilizem a tecnologia em sala de aula é algo que se sente diariamente. Contudo, no terreno, na escola, o que realmente se sente é que os professores estão muito ocupados, vivem um momento complexo na relação com o Governo e estão cada vez mais desmotivados na sua verdadeira missão. É muito importante reverter esta situação porque o papel dos professores é fundamental para os jovens e para o futuro do país. Para isso terão de ser revistas muitas situações, mas não é sobre isso que vos quero falar.

A tecnologia está presente na vida de todos nós,especialmente dos mais novos que, diariamente, estão em contacto com os mais diversos equipamentos.  Temos de conseguir rentabilizar essa atenção nos equipamentos, tentando ajustar as tarefas que são habitualmente solicitadas e inovando nas metodologias. Como? A tecnologia pode ajudar-nos.

As ideias que apresento são apenas sugestões e não têm de as utilizar todas em conjunto. Para que possamos evoluir com segurança temos de dar pequenos passos e temos de ter a possibilidade de analisar e refletir sobre os resultados obtidos.

1 – Os vídeos educativos temáticos

A escolha de pequenos vídeos sobre temas da disciplina pode ser uma forma interessante de envolver os alunos. Existem milhares (milhões) de vídeos disponíveis online em plataformas cada vez mais seguras, até ao nível dos da qualidade conteúdos disponibilizados. Mas, se não preferires, poderás criar os teus próprios vídeos e partilhá-los com o mundo. Os vídeos estão disponíveis online em instituições com ligação às áreas disciplinares e/ou em sítios públicos com cariz educativo. As vossas pesquisas podem ser úteis, deixo-vos 5 exemplos:

Alguns sítios com vídeos educativos: TeachTube, Youtube EDU, TED-ED, RTP ENSINA, KHAN ACADEMY

2 – Criação de vídeos com telemóvel

Os vídeos têm um papel muito importante na aprendizagem das crianças/jovens atuais. Por isso, devemos aproveitá-los da melhor forma. Deforma criativa, podem criar-se atividades que incentivem a criação de pequenos vídeos sobre os conteúdos disciplinares. A edição poderá ser feita em telemóvel/tablet ou num computador. Na possibilidade de existir uma sala de aula virtual, blogue de turma/disciplina, ou outras plataformas online, a partilha dos trabalhos é uma forma interessante de valorizar os trabalhos. Para além disso, pode proporcionar um momento de heteroavaliação.

Existem várias aplicações gratuitas que permitem a edição de vídeo em telemóvel, com integração de texto, voz, música e pequenos efeitos (Videoshow, iMovie, VivaVideo, Filmora). 

3 – Pesquisa orientada

Esta ideia será aquela que irá provocar aquela reação “Olha,que novidade! Já faço isto há anos!”. Em primeiro lugar, não estou a dar novidades, apenas opiniões. Em segundo lugar, pela minha experiência como Professor Bibliotecário, recebendo muitos alunos com (ou sem) indicações para trabalhos de pesquisa, para alguns poderá ser, certamente uma novidade. A pesquisa orientada pressupõe muito mais do que um tema/subtema mas, infelizmente, uma grande percentagem dos enunciados de pesquisa (quando existem) ao tema se resumem.

Qualquer trabalho de investigação deve ter um guião estruturado. É muito importante, por exemplo que o professor indique alguns sites de referência para a área que o aluno está a investigar.

Na criação de um produto final sejam criativos e não se limitem a solicitar um documento realizado num processador de texto ou uma apresentação eletrónica. Em formato digital os produtos não têm limites, tenta testar os teus alunos com outras alternativas.

4 – Participar em projetos europeus (eTwinning)

O futuro promete profissões muito diferentes das atuais e com tendência a funcionarem em espaços muito mais abrangentes. As escolas devem preparar os atuais alunos para o futuro. Para isso, deverão promover atividades que permitam: a interação com outras culturas, o desenvolvimento de competências de comunicação, a exploração criativa de temas com recurso,nomeadamente, às tecnologias, entre muitas outras competências.

Existem, para este efeito, milhares de projetos na maior comunidade de aprendizagem da zona euro – o eTwinning.

Entrem, explorem e participem! Os vossos alunos vão agradecer, acreditem!

https://www.etwinning.net/

 

 

5 – Criar uma sala de aula virtual

A ideia de uma sala de aula virtual não é duplicar o trabalho do professor. É um espaço que se vai construindo e que irá conter informações complementares de qualidade para reforço e apoio aos alunos.Importa que o espaço contenha apenas informação importante e pertinente, que seja de fácil utilização e, se possível, seja criado numa plataforma responsiva (que permita uma leitura/visualização adaptada a cada equipamento). Numa sala de aula virtual os professores poderão:

  • Criar um repositório de documentos de apoio à disciplina;
  • Disponibilizar testes interativos com feedback sobre o conteúdo;
  • Permitir a entrega de trabalhos;
  • Potenciar a comunicação (aluno-aluno;aluno-professor e professor-aluno; família-professor e professor-família)
  • Realizar avaliação diagnóstica e formativa;
  • e muito mais.

Eis 4 exemplos de plataformas para criação de salas de aula virtuais: Moodle, GoogleClassRoom, Edmodo, Chamilo

6 – Utilizar um calendário de turma

O calendário/agenda é uma ferramenta muito interessante para incrementar a interatividade e a comunicação com os alunos. Explorá-lo de forma criativa é um grande desafio. Agendar testes, apresentação de trabalhos, datas importantes no âmbito dos conteúdos da disciplina, entre outros, poderão ser tarefas motivadoras de envolvimento. Os calendários poderão criar notificações de alerta nos telemóveis dos vossos alunos, aproveitem esta ferramenta da melhor forma.

Exemplos: GoogleCalendar, Outlook Calendar, Agenda Edu

7 – Avaliar o conhecimento em sala de aula

Uma das grandes vantagens da tecnologia na sala de aula é a possibilidade de automatizar momentos de avaliação. Por vários motivos, os testes/exames e os trabalhos continuam a manter um peso importante na avaliação dos alunos. Com as alterações que estão a ser implementadas ao nível da flexibilidade curricular, a diversificação dos elementos de avaliação começam a ganhar força. Então, é fundamental criar mecanismos automatizados para evitar que o trabalho de avaliação consuma uma grande parte da energia. Esta avaliação poderá passar por questionários implementados imediatamente após uma atividade ou testes de conhecimentos utilizando formatos de questões muito diversificados. O interessante é que no final da implementação os alunos terão imediatamente a sua avaliação e algum feedback em relação às questões erradas.Vale a pena perder algum tempo neste tipo de ferramentas, serão muito úteis no curto-prazo.

5 ferramentas para criar testes: GoogleForms, Kahoot, Socrative, Plickers e goconqr

Fonte: https://professorinovador.com

8 – Utilizar infografias com os alunos

A utilização de infografias em sala de aula pode ser uma das formas mais poderosas para apoiar o aluno na sintetização de conteúdos, simplificando o processo de aprendizagem. As infografias podem ser criadas pelo professor como apoio ao aluno ou ser solicitada como produto final de uma investigação, por exemplo. A combinação de tópicos, pequenos textos e imagens poderá ter um resultado muito interessante porque, para além de ser uma forma de tornar o conteúdo mais acessível, tem a capacidade de persuadir positivamente o aluno e de simplificar a memorização.  Vale a pena arriscar.

Aplicações para criar infografias: Canva, Visme, InfoGram, EASEL.LY e VennGage

9 – Criar mapas mentais com os alunos

Esta é uma das ferramentas mais conhecidas mas que,infelizmente, não é adotada pela maioria dos professores. Trata-se de umas das melhores formas de organizar informação e planear conteúdos de forma sintética,simples e poderosa, quer ao nível da memorização, quer ao nível da associação de conceitos. A sua criação é bastante simples e intuitiva, sendo necessário uma boa organização para que se coloquem as informações indispensáveis. Também pode ser muito útil em momentos de brainstorming, nomeadamente nas escolhas de temas e conteúdos para um trabalho de investigação. Os mais simples podem ser criados no papel ou no processador de texto, no entanto, existem algumas aplicações específicas que simplificam o trabalho e permitem a partilha online de forma muito simples.

5 Ferramentas gratuitas: Coggle, Mindmeister, Mind Node, Free Mind e Xmind 

10 – Utilizar aplicações no âmbito das disciplinas

Outras das ideias para envolver os alunos em sala de aula (e fora dela) são as aplicações específicas para as disciplinas. Existem milhares de aplicações (muitas com grandes conteúdo gratuitos) sobre as mais diversas áreas disciplinares. Pode e devem ser usadas como complemento e/ou apoio aos conteúdos trabalhados em sala de aula. Exemplo disso são os simuladores que permitem realizar experiências em ambientes virtuais sem qualquer custo e com total segurança, com possibilidade de alteração e análise de dados análise em tempo real. Algo que se pode considerar extremamente útil para o professor da disciplina e para uma efetiva aprendizagem.

Neste caso, proponho que cada professor elabore a sua pesquisa e que aumente a sua base de dados de aplicações que poderão ter utilidade na sua disciplina.

PARA FINALIZAR

Em qualquer uma das ideias que proponho existe uma infinidade de possibilidades. Para evitar a habitual enxurrada de informação, e se acharem interessante, sugiro que escolham um ou dois casos e que comecem a fazer pequenas experiências. Sei que é impossível aprender, criar e testar uma imensidão de possibilidades, mas neste caso, como em muitos outros, pequenos passos podem levar-nos um pouco mais além. E se em cada dia conseguirmos aprender um pouco, em 365 dias conseguimos aprender muito. Vale a pena mudar.

Algumas das imagens do artigo (originais e adaptadas) foram retiradas de Pixabay e Pexels, com utilização de acordo com as licenças disponibilizadas.

Tags : ferramentasSala de aula digitalTecnologia

1 comentário

Leave a Response